Data/Hora: quinta nov 15, 2018 9:53 pm

Os Horários são TMG [ DST ]




Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 4 mensagens ] 
Autor Mensagem
MensagemEnviado: sábado ago 29, 2015 3:50 am 
Desligado
Iniciante

Registado: segunda fev 25, 2013 10:01 am
Mensagens: 194
Localização: Lisboa
Viva

Aviso: Em vez de apanharem uma seca com as minhas divagações podem saltar logo para a parte colorida em que refiro o problema da RT. :)

Como “posso quando posso e nem sempre posso”, hoje, último dia útil de férias, decidi ir dar uma voltita com a RT. Afinal roo-me de inveja sempre que leio as voltinhas por aqui descritas. Não fui meigo, como tinha um Tomtom Rider 400 (TTR400) para continuar a experimentar e uma ida ao Alqueva em mente lá fui eu a meio da manhã depois de despachar outros assuntos pendentes. Sempre gostei imenso de rodar no Alentejo. Como a minha "cara-metade” já está a trabalhar lá fui sem pendura.
Como referi, pretendi experimentar mais algumas funcionalidades do TTR400. Já tinha planeado no Tyre Pro a viajem e exportado para o TTR400.
Saí de Lisboa, apontei para a Vasco da Gama (sempre um prazer quando não tem muito trânsito), N4 direito a Montemor e … ao fim de alguns Km decidi passar para a autoestrada em direção a Évora, afinal a RT não é propriamente uma GS e aquela N4 … Ui! Ui! Além de que tem mais trânsito do que aquilo que eu gosto.
Autoestrada até perto de Évora, depois Reguengos de Monsaraz, Monsaraz, um caminho que leva quase à água do Alqueva e a um restaurante e a seguir Mourão.
Quando descia de Mourão para o Alqueva comecei a sentir-me um pouco zonzo. Mau, nem sequer me meti nos “copos” (exceto de água e mesmo essa foi pela garrafa)! Comecei assim a dar pelos meus erros matinais e não só: tinha comido apenas um iogurte líquido de manhã por não me apetecer mais nada, fui parando e molhando o “bico” (tinha tido a ideia brilhante de levar uma garrafa de água de 1,5l numa das malas, coisa que nunca tinha feito antes dado costumar comprar garrafas pequenas nas bombas, beber e deitar fora, não costumo levar). Bebi água mas, mesmo assim, com o calor que estava, eu de fato completo: casaco e calças de andar de moto, botas e luvas :eek: , a coisa não estava fácil e não se compôs e uns Km depois, numa estrada do tipo “lá vem um”, a Este do Alqueva, lá estava este “triste” sobreaquecido com a RT parada na estrada, à sombra de uma árvore (das poucas existentes à beira daquela estrada, numa planície que me pareceu na altura um deserto com um calor do caraças, já o capacete, casaco, luvas, etc. estavam em cima da mota,) e aqui o “chico” sentadinho no alcatrão, entre a mota e a berma, a beber água da garrafa, a qual mais parecia o chá das 5 (naquele caso das 4 horas, mais ou menos) a tentar estabilizar pelo menos os líquidos (inicio de desidratação??). Sentei-me no alcatrão a descansar sim por que ainda experimentei a berma mas, mesmo com as calças da moto, as silvas ainda me picavam o “traseiro” :( . Após uns 20 minutos e para aí um litro de água morna depois as coisas começaram a compor-se e lá segui eu à procura de outras bebidas, preferencialmente frescas (começava a sentir-me tipo peixe com tanta água) e comida (aquela hora pelo menos um geladito para repor o açúcar já não seria mau). Afinal tinham sido quase 4 horas de condução parando apenas para colocar gasolina e retificar a pressão dos pneus e também para ver a paisagem em Monsaraz.
Outro erro, quando estou a andar de moto não costumo parar em restaurantes (perda de tempo :D ), paro apenas quando vou com a pendura. Pelo que o iogurtezinho da manhã já se tinha ido e água apenas não alimenta um “pequenino” como eu.
Continuei e, mesmo antes de chegar à barragem, vi um sinal a indicar marina, local que eu desconhecia, estrada de alcatrão, promessa de comida e bebidas frescas. Lá fui. Erro! É mesmo apenas uma marina para dar umas voltinhas de barco de aluguer pelo Alqueva desde a meia hora (5€) até muito mais tempo. Como não estava a fim de navegar, embora goste bastante, sobretudo à vela, o que não era o caso, e como só havia bebidas, nem gelados nem outra coisa qualquer, lá voltei eu à estrada.
Decidi virar para Torrão, contra a opinião do TTR400, e depois dirigir-me por Santa Catarina a Alcácer, área esta que já conhecia por gostar de fazer a 253 entre Montemor e Alcácer do Sal. A estrada para Santa Catarina revelou-se um mimo, pouquíssimo tráfego, bom piso, boas retas e curvas qb. A repetir!
Acabei por parar apenas na GALP já na autoestrada depois de Alcácer onde “ia” meter gasolina e comer e beber finalmente qualquer coisa mas … não coloquei gasolina! Quando parei a senhora disse-me pelo intercomunicador que tinha de tirar o capacete, apesar de eu já o ter aberto à frente e ter levantado a viseira escura. Continuei sem abastecer. Fui ao “restaurante” vingar-me num gelado e num Ice Tea, contive-me pois afinal já eram quase horas de jantar (18 e tal), aproveitar para descansar um bocado (nunca uma cadeira rija me pareceu tão confortável depois de várias horas na sela da RT) e lá segui viagem. Saí da autoestrada, dado a RT estar a começar a lamber o depósito e à velocidade de autoestrada precisava ainda de mais para lamber, e fui ao Pinhal Novo à BP colocar gasolina (o desconto Poupa Mais também contribuiu para a decisão :) ), até tinham gasolina de 98 octanas o que a GALP da autoestrada já não costuma, e não fui chateado com a obrigação de tirar o capacete como se todos os motociclistas fossem criminosos em potência :mad: !
Cheguei a casa de “rastos”, mas um cansaço que passa rapidamente, a tempo de começar a ver o telejornal das 20 h e com mais algumas lições relembradas e um sorriso apesar de algumas lições terem sido relembradas de uma forma menos agradável:
• Iniciar longas viagens em jejum, ou quase, é idiota;
• Não parar pelo menos de duas em duas horas para descansar idiota é (por gasolina não conta como descanso). No meu caso, um descanso sentado numa cadeira algures com um gelado ou uma bebida faz milagres em termos de conseguir fazer mais umas centenas de Km, caso contrário as minhas costas e o meu “assento” começam a achar o banco da RT extremamente desconfortável;
• Em dia de calor como o de ontem, sexta-feira, deveria ter parado muitas mais vezes e ter bebido muito mais água;
• Levar água é uma ótima ideia;
• Não comer durante tanto tempo é idiota (já me estou a repetir), vinguei-me ao jantar mas … não devia ter saltado o almoço a tempo e horas;
• Fazer quase 500 Km (476 segundo o Google Maps) seguidos no mesmo dia já não é para a minha idade (cinquenta e …). Faz-se, mas é melhor apontar para máximos entre 300 e 400Km; :sad1:
• Roupa de proteção de mota e capacete são um martírio no caso de dias quentes, mesmo que vão tão desapertadas quanto a segurança o permita, mas mesmo assim não me estou a ver a andar de outra forma. A água ingerida deveria ter sido suficiente para compensar a perdida;
• A levar garrafas de água numa das malas laterais da RT é melhor levá-las na que não é do lado do escape, exceto se se pretender chá;
• Notei que por alguma razão quando se está zonzo parece que se tinha mais equilíbrio a rodar do que quando desmontei (se calhar também funciona assim no caso do álcool mas não estou a pensar experimentar :blink: );

Problemas (se é que, para já, se pode chamar problema antes de eu saber do que se trata): A RT decidiu hesitar por vezes em desenvolver quando rodo o acelerador. Lá para as 4 ou 5 mil RPM em aceleração, por exemplo numa ultrapassagem ou na entrada na autoestrada, hesita em desenvolver durante 3 ou 4 segundos e depois continua como se nada tivesse acontecido. Está a começar a mexer-me com os nervos! Alguém tem uma pista do que possa ser (R1200RT, 2007)?

Conclusão: Apesar dos pequenos contratempos a viagem deu-me gozo. Apesar de já ter feito muitas outras viagens, elas não foram de tanto tempo seguido a rolar e tanto calor. Aprendi montes de coisas pela experiência, sobretudo erros que não devo voltar repetir futuramente.

Quanto ao TTR400, apenas agradeço a minha memória sobre a geografia do Alentejo não ser assim tão má, caso contrário ainda andaria a tentar encontrar o caminho para de lá sair.  Isto do planeamento de viagem no computador, com pontos de passagem programados, pontos que por vezes queremos saltar por falta de tempo ou vontade de os visitar, vontade do condutor de por vezes ir por aqui ou ali em vez de por onde o GPS pretende, ruas proibidas que o mapa do TTR400 não sabe que o são, etc. … (convenientemente também tinha um mapa em papel mas não precisei de o usar). Acabei por programar o TTR400 para ir para casa, coisa com que ele se desenrasca mais ou menos bem, mas fui-lhe sabotando as “ideias” dado querer ir por onde ele não me estava a mandar ir, ganhei eu! 
Resumindo: o software do TTR400 ainda tem “muito para andar”! Se quiserem saber mais sobre o Rider 400 leiam no fórum da Tomtom o que dizem sobre ele (Tópico: Rider).

PS: Não, não houve reportagem fotográfica mas o Alqueva e os seus arredores, e o Alentejo no seu todo, continuam muito aprazíveis, apesar de eu o preferir na Primavera! 

Leram tudo até aqui, são muito corajosos! :bigsmile: :bigsmile: :bigsmile:

Cumprimentos


Share on FacebookShare on TwitterShare on Google+
Topo
 Perfil Enviar Mensagem Privada  
 
MensagemEnviado: domingo ago 30, 2015 1:32 am 
Desligado
Admin.
Avatar do Utilizador

Registado: domingo fev 10, 2008 1:32 am
Mensagens: 2028
Localização: Massamá
Bela narrativa dessa passeata por terras alentejanas.
Com o calor que está é preciso cuidado com a desidratação, ainda por cima de estômago vazio.
A garrafita da água é imprescindivél e nessas condições mais ainda... :)
GPS, de vez enquando também me zango com ele e tenho de lhe trocar as voltas ... :):)
Quanto a moto os filtros e velas estão ok ??? pode ser.

_________________
RICARDO MATIAS
K1200LT-99
R1200GS-08


Topo
 Perfil Enviar Mensagem Privada  
 
MensagemEnviado: segunda ago 31, 2015 1:28 am 
Desligado
Iniciante

Registado: segunda fev 25, 2013 10:01 am
Mensagens: 194
Localização: Lisboa
Viva

Apesar de ter ido à revisão anual em fevereiro, já voltou depois à oficina para uma das "chamadas" da BMW (ação técnica) tendo ido à Baviera Expo em Julho. Após sair da oficina fiz poucos Km antes de notar o problema. Depois esteve parada por causa das férias e só a semana passada é que fui dar a voltinha referida anteriormente.

Hoje andei a ler na Net casos parecidos e parece que há umas queixas de casos semelhantes. Parece que os resolveram intervindo nos "throttle bodies" (penso que seja o que substitui os carburadores quando é usada injeção direta), sincronizando-os ou substituindo-os (ui! ui! :cry: ). Há ainda umas referências a bobines de indução e velas, em alguns casos, e a falta de combustível por falta de pressão devido a problemas com a bomba em outros (uma das chamadas recentes dela por parte da BMW teve a ver com a bomba da gasolina). O estranho é que apenas acontece em situações muito especificas, em aceleração elevada, cerca das 4K rpm, durante muito poucos segundos e depois passa e acelera alegremente. Eu é que não fico nada contente dado que se for a ultrapassar a ultima coisa que pretendo é hesitações por parte da moto quando abro o acelerador! Se fosse alimentação de combustível apenas, deviam notar-se problemas noutras situações (falhas do motor, etc.) o que eu não notei, pelo que velas e afins deveriam dar problemas mais constantes sem ser apenas em situações tão especificas.
Como para sincronizar e ver os erros etc. são necessários equipamentos específicos é demasiada "areia para a minha carroça". Tenho de a levar a uma oficina. Esperemos que deem com o gato e não se ponham a inventar como li que aconteceu com alguns americanos que tiveram problemas parecidos!

Ui! Ui! Lá vai barão €€€! :sad2:

E eu a pensar que depois dos problemas anteriores ela (a RT) começava a atravessar um período estável em termos de fiabilidade! Enganei-me! Amanhã (logo) lá vou telefonar à Baviera dado que também acho estranho a mota ficar assim logo após a "ação técnica" (não pretendo com isto afirmar que foi devido à intervenção que sofreu).

Cumprimentos

VAlmeida


Topo
 Perfil Enviar Mensagem Privada  
 
MensagemEnviado: sexta set 11, 2015 10:30 pm 
Desligado
Iniciante

Registado: segunda fev 25, 2013 10:01 am
Mensagens: 194
Localização: Lisboa
Pois é, lá fui hoje buscar a RT à oficina!
Trocaram as bobinas de ignição e as velas e parece, apenas fui ao Pinhal Novo e voltei, que já não "gagueja". Resumindo quando acelero bastante para, por exemplo, ir rápido dos 60 aos 120Km/h ela parece já não hesitar durante uns 3 segundos ali pelas 4K rpm. Vamos ver se o problema ficou resolvido. Um "estrago" de mais de 300 euros.

Quanto à fiabilidade da BMW ... devo ser eu que sou muito azarado! Ela tem agora quase 40K km e desde os cerca de 20K km, quando a adquiri há dois anos e meio, já foi o controlo de bomba da gasolina, a transmissão e agora as bobinas da ignição. O que mais se seguirá? Olha se os carros fossem assim? :(

Cumprimentos

VAlmeida


Topo
 Perfil Enviar Mensagem Privada  
 
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 4 mensagens ] 

Os Horários são TMG [ DST ]


Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante


Criar Tópicos: Proibido
Responder Tópicos: Proibido
Editar Mensagens: Proibido
Apagar Mensagens: Proibido
Enviar anexos: Proibido

Ir para:  
cron
Desenvolvido por phpBB® Forum Software © phpBB Group
Traduzido por phpBB Portugal